sábado, 11 de fevereiro de 2012

Gentis Coincidências

Estava com a música Cálice do Chico Buarque e Gil na cabeça o dia todo, quando uma grande amiga "sóciolouca" postou no face a versão do autêntico rapper Criolo no Facebook.

E logo pensei: coincidências são milagres onde Deus prefere ficar anônimo.

Deliciem-se com as duas versões, mais a homenagem do Chico ao artista Criolo:


Cálice

Criolo
Como ir pro trabalho sem levar um tiro
Voltar pra casa sem levar um tiro
Se as três da matina tem alguém que frita
E é capaz de tudo pra manter sua brisa
Os saraus tiveram que invadir os botecos
Pois biblioteca não era lugar de poesia
Biblioteca tinha que ter silêncio,
E uma gente que se acha assim muito sabida
Há preconceito com o nordestino
Há preconceito com o homem negro
Há preconceito com o analfabeto
Mas não há preconceito se um dos três for rico, pai.
A ditadura segue meu amigo Milton
A repressão segue meu amigo Chico
Me chamam Criolo e o meu berço é o rap
Mas não existe fronteira pra minha poesia, pai.
Afasta de mim a biqueira, pai
Afasta de mim as biate, pai
Afasta de mim a coqueine, pai
Pois na quebrada escorre sangue,pai.
Pai
Afasta de mim a biqueira, pai
Afasta de mim as biate, pai
Afasta de mim a coqueine, pai.
Pois na quebrada escorre sangue.

Cálice (Cale-se) com Chico e Miltão:
E aqui o bom e delicioso Chico faz um rap para o Criolo:

Que o cálice da ignorância seja de mim afastado...

2 comentários:

Rose disse...

Keila:
"coincidências são milagres onde Deus prefere ficar anônimo"
ADOREI isso!!!
Muito mais simples, e por consequencia, mais profundo (eu acho) que toda a Synchronicity do Jung...que diga-se de passagem, eu AMO!!
Ja to indo colar esta frase no espelho do meu quarto...
Amei ter "conhecido" voce!

Carla disse...

Ola Keilitcha, amiga passando pra deixar um ultra beijo e te desejar um ótimo fds.