sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Avaliação Física


Depois que se atinge os 30 anos as farras gastronômicas e etílicas passam a ter um certo peso literal e desde que aumentei em muito os kilos na balança o controle de peso tornou-se uma questão de sobrevivência: saúde e auto-estima,  e nem vou falar em padrões de beleza estabelecidos pela mídia porque já deu, né? Não consigo ser feliz e nem produzir legal com auto-estima baixa, o que reflete em grande parte das minhas relações.
Nunca fui magrela. Até os 28, 29 anos, fui feliz na linha gostosona, bem brasileira, no quesito perna, bunda, corpo violão. Até então ainda desfrutava dos benefícios que o meu passado de academia e caminhadas em trilhas haviam me proporcionado. Mas depois dos 30… comecei a engordar como uma porca à vésperas do natal, feliz por poder  mostrar os dotes culinários para o maridão e meus convivas, promovendo festinhas para lá de calóricas.
E ó, quase sempre casamento engorda, fato? É um tal de passar o dia namorando na frente da tevê, assaltando a geladeira, é um tal de seduzir o ser amado  pela barriga, que eu vou te contar. E a gente vai junto, né? Que não vai ficar só olhando… e para acabar de consertar, sempre fui chegada a umas biritas.
Então, queridões, foram 20 quilos a mais que se atracaram neste corpo e insistem em continuar. Vergonha de assumir essa tragédia Dantesca? Nem tanto. E como tudo na vida tem um lado bom (e que ninguém duvide disto jamais!), depois de um tempo curtindo os prazeres da boa mesa, percebi ao levar um susto no resultado da avaliação física hoje na academia, que preciso me amar mais e a cuidar mais de mim.
 Ganhar 20 kilos em 4 anos foram melzinho na chupeta, mas as minas (porra, agora também falo minas) sabem que  perder 100g é babado!
Academia, mais caminhadas, encontrar Jesus na musculação, diminuição na quantidade de comida, cortar o alcool e ter atenção nas escolhas serão minhas estratégias.
Tá, mas tudo isso é só para dizer que se alguém aí do outro lado dessa tela pretende mesmo perder peso, o primeiro passo é encarar a verdade: coragem de enfrentar a balança e a fita métrica. Saber o que se tem para enfrentar e estabelecer metas e assim vê o resultado ser atingido.
Suba agora na balança e fique com bastante raiva, com ódio mortal e depois transforme toda essa ira em disposição e suor!
As postagens sobre a minha odisséia em busca do corpo perdido estarão no Lipídeos , porque a turma magra e trincada não é obrigada a ler o quanto eu caminhei, corri ou pulei...

Para quem tem tesão com a tragédia alheia:minha avaliação física

3 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Eu não sou tranquila nessa questão de peso, nem comigo, nem com os homens que me relaciono.

Tu acredita que nunca tive um namorado gordo? Só um ficante gordo, que durou 2 meses... rs

E sou psicótica com a questão de ter que ficar magra, já tentei me aceitar mais gordinha, já tentei relaxar de todas as formas, mas a verdade é que não me aceito gorda.

Hoje em dia estou magra, mas só Deus sabe a que custo... rsrs.

E vai a dica. Dizem que o óleo de coco extra virgem, que tu compra em pote, tem a marca Copra, se tomar 3 colheres de sopa por dia, está comprovado que aumentar o metabolismo da pessoa e faz ela ter mais resultado com a dieta.

Hoje mesmo vou sair em busca disso... rsrsrs.

Beijocas

Carla disse...

Senti firmeza amiga, isso mesmo, sabe que estou com vc né? na primeira e na segunda vez, beijin e ótimo fds.

Anônimo disse...

Estou aqui p te apoiar... Luto contra a balança e eu sei o quanto é difícil, e além do mais, estou passando por isso... Vamos trocar experiências!

Super bjo

Ana Roberta